sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Arte e Civilização (This Is Civilization)

Tempo de Duração: 48 min cada
Ano de Lançamento: 2007
Qualidade: TVRip
Formato: Avi
Audio: Português (Portugal)
Legenda: -
Tamanho: 404 MB cada
Sinopse: Em "Arte e Civilização" o crítico de arte e famoso apresentador Matthew Collings faz uma atualização e expansão do clássico de televisão britânico de 1969 "Civilização: Uma Visão Pessoal" enquanto viaja pelo mundo em busca de arte e arquitetura que ilustrem os momentos chave da história da civilização ocidental. Cada episódio desta série de quatro partes aborda revoluções marcantes em termos de expressão artística e explora como essa transição moldou a cultura e pensamento ocidentais.

Episódio 1 - Vocês, Os Deuses
Analisamos a dívida que contraímos com a religião, a história que entrelaça três grandes civilizações, o Cristianismo, o Islamismo e a cultura pagã da Grécia Antiga, e mostra-nos como cada uma influencia as outras e como o legado artístico de cada uma delas continua a moldar o nosso mundo. Quaisquer que sejam as nossas crenças religiosas, os sentimentos que hoje em dia temos acerca da civilização seriam inimagináveis sem a arte religiosa do passado. Começamos pela Grécia Antiga e depois analisamos como o Cristianismo, a religião que substituiu o paganismo dos Gregos, reagiu perante a mudança transcendental da consciência humana. Finalmente, mostramos como uma terceira grande tradição religiosa, o Islão, propôs uma visão muito diferente sobre o modo como a arte religiosa deveria moldar as nossas vidas.

(Opção 01 - MEGA)
Copie e cole em seu navegador
https://mega.co.nz/#!mNx0mDCQ!TOB29iPiZhEwWfh21177skHD8chSIbm9FmV0meoQFdQ

Episódio 2 - Sentimentos
Queremos que a arte reflita as nossas emoções humanas, que expresse na sua totalidade o que sente um ser humano. É algo que agora damos por adquirido, mas a ideia de colocar o Homem, e não Deus, no centro da arte, constituiu nessa altura uma ruptura revolucionária com a arte religiosa que predominava no passado. Iremos em busca das origens desta mudança numa viagem que nos levará desde o esplendor da Itália renascentista à turbulenta Paris da Revolução Francesa. Da mesma forma, centrar-nos-emos em dois grandes artistas do século XVIII que, de forma diametralmente oposta, expressaram este novo sentido do potencial humano na sua arte: o pintor espanhol Francisco de Goya e o pintor francês Jacques-Louis David. Juntos, estes dois pintores constituem o que o nosso apresentador Matthew Collings denomina o "yin e o yang do sentimento". Com liberdade para expressar-se a si mesma, a humanidade pode ser extraordinária, mas também monstruosa. É uma revelação com cujas consequências ainda lidamos.

(Opção 01 - MEGA)
Copie e cole em seu navegador
https://mega.co.nz/#!zJJjhQrY!bPba3YE75mez4AbnU3zjAqHcF9473xT2aACh2AYyvIA

Episódio 3 - Salve as nossas almas
O auge da sociedade moderna industrial, no século XIX, produziu uma crise de fé e confiança na própria ideia da civilização, uma crise que ainda está à espreita. No novo sistema de fábricas, os trabalhadores eram explorados de forma espantosa e, portanto, as pessoas sentiam-se cada vez mais distanciadas do seu trabalho, da natureza e dos outros. O apresentador Matthew Collings segue os passos de John Ruskin, um ilustre vitoriano que identificou os problemas da sua época e pensou que a arte poderia ser a solução. Este visionário britânico acreditava que a arte poderia salvar as nossas almas, voltar a ligar-nos com a natureza e curar o vazio espiritual provocado pela industrialização. Seguimos John Ruskin na sua viagem pela poderosa natureza dos Alpes, as maravilhas arquitetônicas de Veneza e a desolada paisagem industrial do norte de Inglaterra para compreender este visionário.

(Opção 01 - MEGA)
Copie e cole em seu navegador
https://mega.co.nz/#!CQoBhZKI!N7wxGao88yOFylwyJwF95ARfoThg8sGj7IeWL_6cFBM

Episódio 4 - Incerteza
O apresentador Matthew Collings brinda-nos com a História da Arte Moderna desde o seu nascimento, em princípios do século XX, até aos nossos dias. Afirma que a arte moderna é fundamentalmente diferente da que se produzia nos primeiros períodos da História. Em vez de oferecer-nos uma visão heroica da humanidade e reflectir os altos valores aos quais poderíamos aspirar, a arte moderna tentou sempre mostrar-nos tal como somos: débeis, confusos e, sobretudo, inseguros. Realizaremos uma viagem que começa com algumas das obras chave do modernismo de princípios do século XX, como "Les Demoiselles d'Avignon" de Pablo Picasso, as pinturas abstratas de Paul Klee e Piet Mondrian e a impressionante arquitetura de Le Corbusier. Mostraremos como este tipo de arte era uma nova visão do que somos, uma visão mais de acordo com a frágil natureza da realidade moderna. A viagem terminará no florescente mundo artístico de Pequim contemporâneo e perguntar-nos-emos se, ao contemplarmos a arte que a nossa época está a produzir, devemos sentir-nos optimistas ou pessimistas sobre o futuro da civilização.

(Opção 01 - MEGA)
Copie e cole em seu navegador
https://mega.co.nz/#!7EJUlRiI!wjV7MtREian5qhTxD5G9bF7Agrv3mSJr_PAZNkA28Oc

Screenshot:




5 comentários:

upstars disse...

É possível atualizar os links?

Guilherme disse...

Assim que puder atualizo-o.

Rodrigo disse...

Amigão, coloca no ar novamente, por favor!!!!

Anônimo disse...

Aí mano, atualiza esses links por favor!

Guilherme disse...

LINKS ATUALIZADOS.